sábado, janeiro 07, 2012

...da serie álbuns imperdíveis: Kamelot - The Black Halo




Em 2005 a banda encabeçada pelo excelente guitarrista e compositor Thomas Youngblood, entra em estúdio após a turnê do bem sucedido "Epica" (2003) e meses depois os fãs são agraciados com "The Black Halo" (2005), o que para muitos é considerado o trabalho definitivo da banda. Seguindo a nova linha de composição e o novo direcionamento musical da banda, que tivera início com o ótimo álbum "Karma" (2000). Em "The Black Halo" você pode facilmente perceber o link com "Epica", desde os nomes dos personagens, como "Helena", "Ariel" até a forma como as letras são escritas. Em "The Black Halo" é facilmente perceptível a conexão entre as letras, que foram escritas com maestria e dão ao ouvinte (e ao leitor, para quem lê os encartes) um perfeito entendimento da história (algo que não acontece em muitos discos ditos conceituais) numa aula de como se fazer um disco conceitual, a atmosfera é densa flertando muitas vezes com o obscuro, como em canções como "When The Lights Are Down", "Soul Society" e a obra prima "Memento Mori", o ótimo trabalho de guitarra de Youngblood é perceptível em canções cadenciadas como "Nothing Ever Dies", "Moonlight" e a, na minha opinião excelente "This Pain", a bela voz e de timbre completamente diferenciado de Roy Khan e evidenciada ao máximo na belíssima "Abandoned" uma canção lenta, mas que não pode ser considerada uma "balada", os pontos altos do ótimo trabalho de 2005 é o já clássico "The Haunting (Somewhere in Time)" que marca o início da parceria de sucesso Khan - Simone Simons, cujo clipe é sucesso de acessos no youtube (confira o clipe de "The Haunting"):


E outra parceria de sucesso aconteceu na faixa de abertura "March of Mephisto" na qual Samuel Shagrath (Dimmu Borgir) faz as vozes de Mephisto, essa foi outro sucesso de acessos no youtube (confira aqui o clipe):


Outro ponto a ser observado em "The Black Halo" são as introduções (interlúdios) muito bem feitos em pontos específicos do álbum e que não soam exageradas nem massantes se encaixando perfeitamente na temática do trabalho, "Dei Gratia" a introdução que abre caminho para "Abandoned" é um exemplo disso com sua atmosfera quase sufocante e os belos dizeres em Latim. Esse excelente trabalho se encerra com a emocionante "Serenade", os dois trabalhos subsequentes "Ghost Opera" e "Poetry For The Poisoned" são excelentes, mas dificilmente algum trabalho do Kamelot irá superar "The Black Halo".




Faixas:

"March Of Mephisto" - 5:28
"When The Lights Are Down" - 3:43
"The Haunting (Somewhere in Time) - 5:43
"Soul Society" - 4:17
"Dei Gratia" (interlúdio) - 1:48
"Abandoned" - 4:09
"This Pain" - 4:01
"Moonlight" - 5:10
"Un Assassino Molto Silenciozo" (interlúdio) - 0:40
"The Black Halo" - 3:43
"Nothing Ever Dies" - 4:45
"Memento Mori" - 8:54
"Midnight/Twelve Toll For a New Day - 1:41
"Serenade" - 4:44




Formação:

Thomas Youngbloob (Guitarras)
Casey Grillo (Bateria)
Glenn Barry (Baixo)
Oliver Polatai (Teclado)



Por: André Walker

Nenhum comentário:

Postar um comentário